• CICOM

Dia Internacional do Cooperativismo celebra união em tempos de pandemia

Com o tema “Reconstruir melhor juntos” a data ressalta a força e a importância da ação das cooperativas no País

Celebrado anualmente, no primeiro sábado de julho, o dia internacional do Cooperativismo é um convite para a reflexão sobre o verdadeiro significado do Cooperativismo, que tem chamado atenção do mundo, sobretudo, neste momento de pandemia. A premissa do cooperativismo é exatamente usar sua força vital para unificar ações, solidariamente, visando um bem comum.

Neste ano a data será comemorada no próximo dia 3, e a temática escolhida é “Reconstruir melhor juntos”, mote que faz alusão a todas as dificuldades que vêm sendo enfrentadas por cooperativas ao redor do mundo diante do cenário da pandemia de Covid-19.

Desde 2020 as cooperativas também precisaram se adaptar e enfrentar os novos desafios, assim como negócios, dos mais variados tamanhos, e assim também como cada cidadão. Entre todos os aspectos enfrentados, o principal deles reforçou a necessidade do cuidado, ou de cuidar – das pessoas, familiares, amigos e de si mesmo. Neste cenário tão diferente, a palavra cooperativismo nunca se fez tão forte, afinal cooperar é tudo o que o mundo precisa neste momento.

Segundo estimativa do anuário do cooperativismo brasileiro de 2020, da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) o país conta com mais de 5 mil cooperativas, o que resulta em mais de 15 milhões de cooperados atuando em variadas áreas, unidos em 5314 cooperativas visando atender às necessidades e buscar soluções para seus cooperados e comunidade. Além disso o segmento fortalece a economia mundial gerando 427.576 empregos diretos, isso somente no Brasil.

Mesmo com toda a dificuldade trazida pela pandemia as cooperativas continuaram crescendo e se mostrando importantes para a economia nacional. Além de movimentar a economia o cooperativismo proporciona novas expectativas e oportunidades para a população, como é o caso do cooperativismo habitacional, que oferece uma alternativa àquelas pessoas que sonham em adquirir um imóvel próprio, mas, não obtiveram sucesso para financiamento pelos meios tradicionais.

A produção de moradias por meio do cooperativismo é uma opção diferenciada que oportuniza ao cooperado adquirir um imóvel com preço mais acessível e de alta qualidade. Dados da Organização das Cooperativas Brasileiras mostram que em 2019, as 265 cooperativas do ramo da Infraestrutura no Brasil somaram 1,1 milhão de cooperados, criando cerca de 7 mil empregos. Dentro da área da infraestrutura se encontra a construção civil habitacional, que possui o maior número de cooperativas do ramo, 77, obtendo participação de 30% no setor.

A flexibilidade do cooperativismo ajuda na inclusão, já que a necessidade de possuir uma renda formal acaba afastando as pessoas do sonho de adquirir a casa própria, pois, a tomada de crédito é bastante rígida e criteriosa nas instituições financeiras. “É uma alternativa que tem oferecido mais oportunidades. É através do cooperativismo habitacional, que surge uma opção para famílias que precisam de uma moradia, mas não conseguem se estabilizar financeiramente em empregos formais”, explica Carlos Massini, Presidente da CICOM Cooperativa Habitacional que atua no estado de São Paulo e também é membro efetivo do Conselho Fiscal da FENACOHAB (Federação Nacional das Cooperativas Habitacionais).

A CICOM desenvolve empreendimentos imobiliários através do cooperativismo, baseada no fato de que todo cidadão merece viver com dignidade, tendo o direito à moradia assegurado. Oferecer a seus cooperados a oportunidade de realizar o sonho da casa própria. A união dos recursos dos membros cooperados aumenta o poder de negociação, reduzindo assim o custo individual para a aquisição.

No contexto da pandemia a sociedade passou a dar mais importância ao que é necessário para um trabalho conjunto e comunitário como forma de transpor também a crise sanitária. Essa essência no caso do cooperativismo já é a ideia central. “O cooperativismo tem origem nesses mesmos preceitos, é necessário assumir uma responsabilidade solidária, para que os objetivos sejam alcançados em comunidade, em trabalho conjunto, tornando possível adquirir a moradia a preço de custo. E como demonstram os dados da OCB o sistema contribui para girar a economia, gerando empregos diretos e recolhendo impostos, ou seja, fazendo de fato a diferença no mundo”, assegura Massini.

Uma das grandes vantagens da cooperativa habitacional é que, diferente do modelo de financiamento tradicional, na cooperativa não há limite de faixa etária, exigência de comprovação de renda ou algum tipo de análise de crédito para se tornar um cooperado.

O sistema de cooperação é diferente, naturalmente conta com as contribuições mensais dos cooperados, e todos os valores arrecadados são destinados para a construção da habitação. Na medida em que a cooperativa vai desenvolvendo os empreendimentos o cooperado pode ser atribuído a uma dessas unidades. Essa atribuição vai depender se o cooperado tem interesse no imóvel, ou se ele pretende aguardar por outro empreendimento em outra localidade, por exemplo.

A cooperativismo é antes de tudo um projeto social, que traz segurança e confiança ao associado. “Tenho orgulho de participar do movimento cooperativista, pois, a CICOM hoje é um grande agente que atua para amenizar a desigualdade social neste meio, pois temos trabalhado fortemente e mudado a história de muitas famílias”, finaliza Carlos Massini.

No dia internacional do Cooperativismo também se quer destacar os propósitos da Organização das Nações Unidas (ONU) e do movimento cooperativo internacional, bem como, consolidar e expandir as parcerias e promover a ideologia do movimento, visando novos acordos em âmbito nacional e internacional.

Sobre a CICOM

A CICOM é uma da cooperativa habitacional que atua no estado de São Paulo promovendo o acesso social às habitações. O processo começa com a identificação de um terreno adequado a um projeto habitacional. Na sequência, inicia-se a abertura de cadastramento para que pessoas interessadas se unam com o objetivo de fazer as aquisições dos imóveis em uma compra com valor estabelecido em conjunto. Os cooperados acompanham todas as etapas envolvidas desde o início, conscientes de que a moradia sairá por preço de custo. Após este processo é desenvolvido o projeto de engenharia e, então, a cooperativa se encarrega de realizar arrecadações entre seus cooperados ou ainda, de buscar crédito e então contratar uma empresa construtora para executar as obras. A cooperativa dispõe hoje de diversos dispositivos de segurança que garantem a confiabilidade no processo, extinguindo mitos e conceitos que antes colocavam em dúvida os investimentos.

1 visualização0 comentário